Close

julho 7, 2015

O bibliotecário que roubava sua própria biblioteca

Era uma vez um bibliotecário que estava trabalhando na mesma biblioteca há muito tempo. Ele cansou de fazer lista de compras baseado na demanda de seus usuários. Ao invés de fazer isso ele passou a comprar apenas os livros que ele gostaria de ler e isso com o dinheiro público. Não é que ele tinha um mau gosto, ele queria ler boas obras e a comunidade de certa forma não percebia que estava sendo lesada pela postura do bibliotecário. Mas o que dizer dessa postura?

O bibliotecário de certa forma está roubando algo dessa biblioteca ou dessa comunidade? Ou isso seria alguma forma de censura? O que diz o código de ética do profissional Bibliotecário? Você concorda com essa atitude dependendo do tipo de biblioteca? Você conhece alguém que fez ou faz isso? Ou pior, você conhece algum bibliotecário que literalmente já roubou a própria biblioteca?

Em um momento como o atual em que existe uma grande manifestação contra a corrupção no país fiquei pensando de que formas um bibliotecário poderia cair na tentação e praticar atos corruptos. Desde incluir desejos pessoais em uma lista de compras a negociações duvidosas com editoras de “amigos”. Enfim, formas não faltam.

A corrupção existe e é um fato. Mas o objetivo de lutar contra ela é antes de tudo não ser um agente corruptor. Do que adianta reclamar dos políticos se no seu trabalho você aproveita seu posto para ganhar vantagens?

Nós bibliotecários temos que dar o exemplo em relação à nossa conduta. De certa forma somos formadores de opiniões e cidadãos conscientes. O famoso papel social do bibliotecário. Então como nos portar em relação a essa questão?

Nosso bom senso deveria responder, mas por via das dúvidas seguir nosso código de ética não será de todo o mal e ele diz assim:

Deveres e Obrigações:

a) dignificar através de seus atos a profissão tendo em vista a elevação moral, ética e profissional da classe;
b) observar os ditames da ciência e da técnica, servindo ao poder público, à iniciativa privada e à sociedade em geral;
c) respeitar leis e normas estabelecidas para o exercício da profissão;
d) respeitar as atividades de seus colegas e de outros profissionais;
e) colaborar eficientemente com a Pátria, o Poder Público e a Cultura.

Cumpre ao Bibliotecário:

a) preservar o cunho liberal e humanista de sua profissão, fundamentado na liberdade da investigação científica e na dignidade da pessoa humana;
b) exercer a profissão, aplicando todo zelo, capacidade e honestidade no seu exercício;
c) cooperar intelectual e materialmente para o progresso da profissão, mediante o intercâmbio de informações com associações de classe, escolas e órgãos de divulgação técnica e científica;
d) guardar sigilo no desempenho de suas atividades, quando o assunto assim exigir;
e) realizar, de maneira digna, a publicidade de sua instituição ou atividade profissional, evitando toda e qualquer manifestação que possa comprometer o conceito de sua profissão ou de colega;
f) considerar que o comportamento profissional irá repercutir nos juízos que se fizerem sobre a Classe;
g) manter-se atualizado sobre a legislação que rege o exercício profissional da Biblioteconomia, cumprindo-a corretamente e colaborando para seu aperfeiçoamento;
h) combater o exercício ilegal da profissão.

Normas de Conduta:

a) ser leal e solidário, sem conivência com erros que venham a infringir a ética e as disposições legais que regem o exercício da profissão;
b) evitar críticas e/ou denúncias contra outro profissional, sem dispor de elementos comprobatórios;
c) respeitar as ideias de seus colegas, os trabalhos e as soluções, jamais usando-os como de sua própria autoria;
d) evitar comentários desabonadores sobre a administração de colegas que vier a substituir;
e) abster-se da aceitação de encargo profissional em substituição a colega que dele tenha desistido para preservar a dignidade ou os interesses da profissão ou da classe, desde que permaneçam as mesmas condições que ditaram o referido procedimento.

Observar as seguintes normas (em relação a Classe):

a) prestigiar entidades de Classe, contribuindo sempre que solicitado, para o sucesso de suas iniciativas em proveito da coletividade;
b) zelar pelo prestígio da Classe, pela dignidade profissional e pelo aperfeiçoamento de suas instituições;
c) facilitar o desempenho dos representantes do órgão fiscalizador, quando no exercício de suas respectivas funções.

Observar as seguintes condutas (em relação aos Usuários):

a) aplicar todo zelo e recursos ao seu alcance no atendimento ao público, não se recusando a prestar assistência profissional, salvo por relevante motivo;
b) prestar assistência profissional, salvo por relevante motivo;
c) tratar os usuários com respeito e urbanidade, não prescindindo de igual tratamento por parte deles;
d) ater-se ao que lhe compete na orientação técnica da pesquisa e na normalização do trabalho intelectual.

Deixe uma resposta