Close

Maio 26, 2015

Mudanças no currículo dos cursos de Biblioteconomia

Definição

Identificar o currículo como sendo o conjunto de disciplinas a serem ministradas, a partir da relação de conteúdos constituídos conforme a política educacional, inserido em dimensões micro e macro-institucionais é uma leitura que, além de ser extremamente limitada, também confere ao currículo um caráter meramente técnico e instrumental.

No caso específico da Biblioteconomia e Gestão da Informação a tecnificação curricular tem sido o elemento central na formação dos profissionais da área. Historicamente isso se deve a ênfase dada às práticas biblioteconômicas desempenhadas, nas quais as atividades eram centradas na organização de bibliotecas, na preservação de acervos, na disponibilização e disseminação de informações, oriundas da adoção do que se chamou currículo mínimo. Como resultado desse direcionamento curricular que teve origem na orientação norte-americana, um tipo rígido de estrutura curricular, cerceada pela perspectiva do paradigma do tratamento do acervo, compunha a formação dos egressos.

Atualmente as tecnologias da comunicação e informação imprimem um novo caráter à constituição dos currículos. Esse novo viés pretende uma adequação dos egressos às novas demandas sócio-culturais próprias da conjuntura da Sociedade da Informação, demandas essas que requerem profissionais capazes de agregar às antigas habilidades técnicas, competências informacionais que acabem por se consagrar em inusitadas dinâmicas de aprendizado.

Dessa complexa teia de habilidades e competências, os currículos surgem como produtos dos embates ideológicos, políticos e culturais ocorridos nos diferentes níveis das políticas educacionais, mas sobretudo como resultado de pressões que pretendem adequar a formação dos profissionais da informação a uma conjuntura na qual teoricamente a informação passa a ter um caráter vinculado fundamentalmente incorporação de conhecimentos com vistas a incorporação do egresso ao mercado.

Nessa dimensão, o currículo impõe a construção e o desenvolvimento uma proposta político-pedagógica conectada com as exigências vigentes de uma determinada coletividade e com demandas sociais específicas. É um documento norteador da construção identitária de uma determinada categoria profissional, implicando fundamentalmente na dimensão de sujeito que ao se formar, apropria-se de sua formação, por ter a real dimensão do que representa a sua formação cultural quando relacionada a formação de seus futuros usuários.

Mudanças

Diante desta definição, convido todos a propor mudanças em seus currículos. Que disciplinas agregariam valor no nosso curso? O que pode ser retirado? Eu pessoalmente acho que deveríamos ter mais disciplinas ligadas as novas tecnologias de informação. Marketing digital da informação. Novas formas de processamento técnico que não sejam AACR2 ou MARC21. Ok, elas são fundamentais hoje, são um paradigma, mas isso não significa que não podemos quebrá-los. Quer coisa mais antiga que CDU ou CDD? Onde estão as disciplinas sobre recuperação de informação? Enfim, muitas questões podem ser levantadas para discutir um novo currículo do curso de Biblioteconomia. Quais são as suas?

Fonte

Deixe uma resposta