Close

agosto 7, 2017

4 dicas práticas para gestão do conhecimento

gestão do conhecimento, portal do bibliotecário, biblioteconomia, ciência da informação

O bibliotecário que implementa um programa eficaz de gestão do conhecimento em sua unidade de informação vai conseguir conquistar um retorno substancial. Que irá reduzir a duplicação de trabalho, aumentar a produtividade, alavancar experiências anteriores e melhorar a qualidade.

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento

Dicas práticas para Gestão do Conhecimento

1) Lições aprendidas

O conhecimento adquirido durante o projeto, que mostra como eventos do projeto foram abordados ou devem ser tratados no futuro com o objetivo de melhorar o desempenho futuramente. No contexto da gestão do conhecimento, ela deve ser aplicada também a processos e devem ser registradas periodicamente e compartilhadas amplamente na organização.

2) Comunidades de prática

Grupo de pessoas que se unem sob um mesmo tópico com o objetivo de melhorar o que fazem e/ou resolver um problema juntos por meio da interação regular. Elas podem ser presenciais ou virtuais; moderadas ou abertas e podem ser encerradas quando o objetivo for alcançado.

3) Mapeamento de competências

Ter clareza das competências necessárias ao desempenho de atividades críticas para o negócio é fundamental para a organização. Manter-se competitiva e garantir a qualidade de suas entregas. As core competences ou competência-chave são as competências únicas e distintivas de uma organização. Que lhe conferem uma vantagem competitiva intrínseca que permite diferenciação em face aos concorrentes. No nível individual, são mapeados os conhecimentos, habilidades e atitudes de cada função e os profissionais que apresentam gaps (lacunas) são desenvolvidos em programas de treinamento e mentoria.

4) Banco de especialistas (ou páginas amarelas)

A SBGC – Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento define como sendo um diretório online com o objetivo de facilitar o acesso aos conhecimentos e experiências de seus colaboradores de forma rápida na identificação de “quem é quem” e “quem sabe o que” na empresa. Esse mecanismo possibilita o acesso ágil e assertivo às fontes de conhecimento organizacional e favorece a conexão entre os especialistas da empresa para a cocriação de soluções para o negócio.

Fonte: [1]