Close

Fevereiro 13, 2017

4 princípios que podem ajudar sua biblioteca a encarar a revolução digital

Enquanto você lê este artigo, você é uma entre as mais de 3 bilhões de pessoas conectadas à internet neste exato momento. Esse número é quase metade da população da Terra. Algumas dessas pessoas estão fazendo compras, conversando com amigos, ou, lendo um livro ou artigo como este.

Essa rápida integração do digital à informação trouxe muitas oportunidades para bibliotecas e bibliotecários, mas, por outro lado, essa era digital também criou desafios que não existiam até duas décadas atrás.

Esses desafios se resumem a quatro princípios que podem guiar nossa relação com esse enorme mundo digital. Não importa o ramo de atuação da sua biblioteca: esses princípios também podem ajudar você.

1. Mude sua biblioteca antes que façam isso por você

A inovação é um desafio que tende a ficar cada mais difícil com tantos aparatos tecnológicos sendo criados todos os dias. Quanto mais uma biblioteca se destaca, mais os processos a curto prazo aparecem. Isso significa que se você quer inovar, você precisa mudar o seu atual modelo de negócio ao mesmo tempo em que realiza as atividades do dia a dia. É um trabalho árduo – mas não impossível.

Para ter sucesso, você precisa de uma equipe exclusiva para tocar esse projeto. Alguém que não tenha restrições ou entraves do dia a dia para lidar com desafios e que possa se responsabilizar por fazer um planejamento de ações e estratégias a longo prazo. Sabemos que a realidade de muitas bibliotecas é a “EUquipe”, mas isso não impede que você implemente algum tipo de inovação em sua unidade de informação.

2. Toda biblioteca é agora também uma biblioteca virtual

Os clientes de todas as bibliotecas passam a maior parte da vida online – e eles esperam ser atendidos onde estiverem. Se você acha mesmo que basta ter um espaço físico para atender seus usuários você está correndo o risco de ter sua biblioteca fechada. Aliás esse fenômeno está ocorrendo no mundo inteiro. Bibliotecas tradicionais estão sendo fechadas por diversos motivos, entre eles falta de orçamento e até mesmo usuários.

3. Não tenha apenas um conjunto de dados: transforme isso em conhecimento

Hoje em dia, ouvimos falar bastante sobre Big Data; mas é importante lembrar que coletar dados é só o primeiro passo. É crucial transformar esses bits e bytes em conhecimento de verdade que você possa usar. Isso pode parecer óbvio, mas muitas vezes esse passo importante é ignorado. Em uma pesquisa recente, realizada com executivos sênior, descobrimos que 81% deles concordam que a informação deveria estar no centro da tomada de decisão – mas apenas 31% dizem que reestruturaram suas operações para incorporar a análise de dados.

4. Faça parcerias para somar forças

Você é de uma biblioteca que quer aumentar suas atuação no mundo virtual? Você treina pessoas internamente? (como pesquisar, como fazer referências, etc). Você tem um algum tipo de parceria com outra biblioteca ou instituto de informação e tecnologia? Ibict, por exemplo.

A resposta é diferente dependendo das circunstâncias e da biblioteca. Cada vez mais as empresas estão optando pela terceira opção – por que não seguir esse modelo com sua biblioteca? No mundo empresarial essa metodologia tem dado certo.

Juntos, esses quatro princípios enfatizam uma realidade essencial para as bibliotecas hoje em dia. As estratégias que funcionavam há 30 anos – as mesmas que levaram muitas bibliotecas a virarem referências – são também as estratégias que as impedem de avançar para o futuro. Felizmente, muitas ferramentas que desencadearam a ameaça de fechar sua biblioteca também podem fazer com que as unidades de informação se adaptem e evoluam mais rápido do que nunca. A tecnologia pode ser a causa de muitos desafios atuais, mas se nós lidarmos com a questão da forma correta, também pode ser a solução para seus problemas.

Fonte: [1]